Olá leitor! :)

No chão da fábrica

Mais Imagens

No chão da fábrica
R$40,00

Disponível: Disponível

Roniwalter Jatobá sabe – e prova aqui – que literatura não se faz só com boas intenções, objetividade e gana de denunciar a injustiça; ela vai se concretizar através de um texto de padrão literário, o que não é tãosomente uma questão de formalismo, mas de talento. E linguagem é o que não falta a Roniwalter.
Rubem Mauro Machado, O Globo

Certamente a preocupação do autor mineiro é com o homem. A paisagem entra apenas para emoldurar situações vexatórias de personagens marginalizadas. [...] O autor se incorpora ao grupo de ficcionistas brasileiros ligados à realidade, e com o fito de comprovar a existência de uma temática nossa, brasileira, longe de esgotar-se.
Hélio Pólvora, Veja

Um livro que se liga à melhor tradição do grande romance social brasileiro. Belo, áspero, intratável – como o cacto de Manuel Bandeira.
Ruy Espinheira Filho, A Tarde

Eu imagino que um livro como esse incomoda muita gente. Tiziu não tem refresco. [...]. Leia Tiziu, não vai sobrar nada de sua hipocrisia.
Fernando Bonassi, Folha de S. Paulo

São contos curtos, alguns até curtíssimos, porém tão interligados e ao mesmo independentes, que parecem partes de uma novela. Neste sentido lembram Vidas secas, inclusive na denúncia de uma tragédia social.
Valdomiro Santana, Jornal do Brasil

A classe operária tem servido de tema a muitos artistas; contudo, poucas vezes ela é surpreendida em sua essência mais íntima como neste conjunto de contos.
José Carlos Ruy, Movimento
Descrição

Detalhes

Roniwalter Jatobá sabe – e prova aqui – que literatura não se faz só com boas intenções, objetividade e gana de denunciar a injustiça; ela vai se concretizar através de um texto de padrão literário, o que não é tãosomente uma questão de formalismo, mas de talento. E linguagem é o que não falta a Roniwalter. Rubem Mauro Machado, O Globo Certamente a preocupação do autor mineiro é com o homem. A paisagem entra apenas para emoldurar situações vexatórias de personagens marginalizadas. [...] O autor se incorpora ao grupo de ficcionistas brasileiros ligados à realidade, e com o fito de comprovar a existência de uma temática nossa, brasileira, longe de esgotar-se. Hélio Pólvora, Veja Um livro que se liga à melhor tradição do grande romance social brasileiro. Belo, áspero, intratável – como o cacto de Manuel Bandeira. Ruy Espinheira Filho, A Tarde Eu imagino que um livro como esse incomoda muita gente. Tiziu não tem refresco. [...]. Leia Tiziu, não vai sobrar nada de sua hipocrisia. Fernando Bonassi, Folha de S. Paulo São contos curtos, alguns até curtíssimos, porém tão interligados e ao mesmo independentes, que parecem partes de uma novela. Neste sentido lembram Vidas secas, inclusive na denúncia de uma tragédia social. Valdomiro Santana, Jornal do Brasil A classe operária tem servido de tema a muitos artistas; contudo, poucas vezes ela é surpreendida em sua essência mais íntima como neste conjunto de contos. José Carlos Ruy, Movimento
Informação Adicional

Informação Adicional

ISBN 978-85-7492-412-0
Nº de Páginas 352
Formato 14 x 21 cm
Encadernação Brochura
Comentários

Tags do Produto

Use espaços para separar as tags. E aspas simples (') para frases.